segunda-feira, 3 de novembro de 2008

GP do Brasil: A corrida mais difícil da história!!



O Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 foi mais uma vez marcado pela emoção e pelo drama. Quem não se recorda da decisão de 2007, quando Raikkonen desbancou os favoritos e decolou da terceira posição no campeonato para o título nas últimas voltas da corrida em Interlagos. Em 2008, algumas semelhanças. O palco era o mesmo, Interlagos (agora reformado e com novas instalações). A diferença de pontos entre os líderes também, 7. Mais uma vez Hamilton era personagem principal da decisão, mas dessa vez teria que lutar contra Felipe Massa. Será que desta vez ele repetiria os erros de 2007 e entregaria o título? A única certeza que nós, torcedores tínhamos na cabeça era a de que um campeonato tão movimentado e eletrizante só poderia ter uma decisão dramática. E assim foi, até a última curva das 71 voltas de GP Brasil.

Tudo começou ainda na China. Hamilton e Massa terminaram a corrida separados por 7 pontos. Apesar da vantagem numérica, todos sabiam que Hamilton enfrentaria dificuldades grandes na última prova. A pressão de não repetir a lambança de 2007, a torcida brasileira a favor deMassa, o retrospecto do brasileiro na pista e Interlagos mesmo, circuito muito técnico, à moda antiga, que costuma a castigar alguns pilotos. Foi com esse clima que a F1 desembarcou no Brasil. E a decisão começou a favor de Massa. Uma pole conquistada com um tempo imbatível no sábado. Hamilton, claramente sentindo a pressão da torcida conseguiu apenas o 4º tempo. Com Trulli e Raikkonen entre os líderes, Massa pôde começar a programar-se para conseguir uma vitória e rezar para que Hamilton chegasse de 6º em diante.
O domingo amanheceu com sol forte em Interlagos. Às onze da manhã as arquibancadas já estavam lotadas com uma multidão vermelha que aguardava ansiosa pela decisão. A expectativa de ver um brasileiro ser campeão em casa encheu de esperanças muitos dos que estavam no autódromo. À medida que o tempo passava, nuvens carregadas aproximavam-se de Interlagos. Os boxes foram abertos e quando os carros já estavam alinhados no grid de largada, prontos para a volta de apresentação uma chuva torrencial caiu sobre a pista, fazendo com que a largada fosse atrasada em 10 minutos. As equipes, em pânico, tentavam realizar os últimos ajustes para pista molhada nos carros. Da mesma forma que chegou, a chuva sumiu... Parecia que sua missão era apenas aoimentar ainda mais a corrida e aumentar ainda mais o grau de incerteza na decisão do campeonato. Quando os caros partiram para a volta de apresentação, a pista ainda estava molhada a ponto de levantar spray, mas não tão enxarcada a ponto de utilizar pneus para chuva pesada.


Quando as luzes vermelhas se apagaram, a astenção de todos voltou-se para Hamilton e Massa, os protagonistas do dia. No entanto, foi David Coulthard quem chamou a atenção, rodando e saindo logo na primeira curva, dando um fim melancólico à sua última corrida na F1. Junto com ele também saiu Nelson Piquet, que teve um début um tanto quanto difícil em sua própria casa. Enquanto isso, Massa administrava a liderança, seguido por Trulli e Raikkonen. Alonso que largara muito bem aparecia em quarto e Hamilton em 5º, posição limite para a manutenção de seu título. Durante as primeiras voltas, o SC entrou na pista para garantir a retirada dos carros de Coulthard e Piquet no S do Senna. Isso ajudou aos pilotos, que puderam acostumar-se melhor com o asfalto molhado. Com a relargada, a mioria das posições foram mantidas. Todos mantinham olhso fixos ao 6 primeiros colocados, pois qualquer alteração importante de posição poderia dar o título a qualquer um dos dois

Com as paradas nos boxes, o título alternava de mãos, hora nas mãos de Hamilton, hora nas mãos de Massa. O público parecia anestesiado. Olhos vidrados nos 6 primeiros e também na chuva, que ameaçava cair. Enquanto isso, o destaque ia para Sebastian Vettel, que antes de suas paradas ameaçava Felipe Massa e depois da troca de pneus passou a apertar Lewis Hamilton. Fernando Alonso também fazia excelente corrida, com sua Renault sempre entre os três primeiros. Outro coadjuvante importante foi kimi Raikkonen, que claramente "marcava" Lewis Hamilton e pilotava pelos interesses da Ferrari.
O título parecia estar nas mãos de Hamilton, até que a chuva começou a dar as cartas na corrida a duas voltas do final. A pista que começava a ficar molhada em alguns pontos ficou muito traiçoeira. Então as equipes correram para colocar pneus de chuva. Nisso, começou a brilhar a estrela de Sebastian Vettel, que voava baixo com sua Toro Rosso e a duas voltas do final ultrapassou Hamilton. Interlagos veio abaixo, pois com o inglês em 6º, o título estava nas mãos de Felipe. O brasileiro da Ferrari apertou o pé e cruzou a linha de chegada em primeiro. Mas o título esteve nas suas mãos por apenas 38 segundos, já que na última volta, Timo Glock, que vinha em 4º, não segurou sua Toyota e acabou sendo superado por Vettel e Hamilton. Com a 5ª colocação o inglês da McLaren comemorou o título de pilotos. A Ferrari mais uma vez levou o Mundial de construtores, porém a perda do título para Hamilton deixou um gostinho amargo no triunfo de Massa e de sua equipe em Interlagos.
Em um campeonato tão anômalo em que o acaso dominou muitas corridas, a batalha final só poderia ter sido assim tão emocionante. Hamilton venceu o campeonato de 2008 por apenas um ponto e chegou a perder o título por 2 voltas. Quis o acaso que a decisão tivesse este desfecho. Na temporada mais imprevisível da F1, tivemos a decisão de camapeonato mais difícil da história.

Marretadas
  • BMW: Amarelou de vez. A responsabilidade de ser uma equipe vencedora, que consegue fazer frente à McLaren e Ferrari pesou demais nos ombros do pessoal de Hinwill. Ao invés de servir como motivação, acabou sendo um fardo pesado demais. Parece que por lá o povo gosta mesmo é do grupo do meião. Em Interlagos Kubica e Heidfeld tiveram carros sofríveis e apanharam de Toyota, Toro Rosso e Red Bull;

  • Estratégia da Toyota: Conseguiu dar um carro em condições de largar na primeira fila a Jarno Tulli, que não decepcionou na hora de arrancar uma volta perfeira no sábado. Entretanto, no domingo, acabou vendo seu rendimento minado pela pista em condições instáveis. Erraram feio nas estratégias de parada e fizeram os pilotos padecerem com pneus de seco em pista molhada;

  • Despedida de Coulthard: Está certo que a temporada do esocês foi um tanto quanto conturbada, mas a despedida foi melancólica. Rodar e sair na primeira curva da última corrida foi muito decepcionante. David merecia coisa melhor...

Pontos positivos:

  • Fernando Alonso: Foi o rei do final do campeonato. Desde Cingapura tem pilotado um absurdo, o que se repetiu em Interlagos. Parece sinalizar que ano que vem, não vai deixar a moçada em paz e se postula como candidato ao título de 2009;

  • Sebastian Vettel: Quando a chuva caiu em Interlagos, não teve para ninguém. Mostrou que apesar da pouca idade, sobra em relação aos outros em pista molhada. Se derem a ele um carro competitivo, voltaremos aos tempos de F1 de um piloto só...

  • Lewis Hamilton: é o campeão. E seu título chama-se ousadia e talento. Hamilton tem consciência de que pode arriscar mais que os outros pois domina a tecnica de forma genial. Mas em Interlagos, amarelou. É campeão mas ainda não é completo, pois a vibração e os gritos das arqubancadas em Interlagos o desnortearam no momento mais importante.

Troféu cata-tatu: Timo Glock

Chamem o IBAMA. Este homem é o maior catador de tatu da história!! Multa e cadeia nele, AGORA!! Andou entre os primeiros em Interlagos, tudo ia bem. Mantinha-se à frente de Vettel e Hamilton até que uns pingos de chuva transformaram seu Toyota em abóbora. Glock escorregou, Hamilton passou e foi o campeão. No final das contas, nem Massa nem Hamilton decidiram o campeonato. Glock o fez. E é bom ele guardar este momento na memória. Nunca mais seu nome medíocre estará envolvido numa decisão de campeonato...

Prêmio F1-V8: Felipe Massa

Foi o campeão moral do domingo. Fez a sua parte. Precisava largar na frente de Hamilton e vencer a corrida. Isto ele fez. Massa foi absoluto em uma pista com condições instáveis e que castigou a todos. Com a torcida ao seu lado, tirou forças e comemorou o título por alguns segundos. Saiu de Interlagos sem o título de campeão, mas nas graças do torcedor brasileiro e da crítica internacional. Seu nome, antes ignorado nas listas dos grandes pilotos em atividade, agora pode ser escrito ao lado de Alonso, Raikkonen, Hamilton e Kubica. O Massa que venceu em Interlagos não se assemelha nem de longe com o mesmo que rodou na Malásia e teve o emprego ameaçado. Certamente foi o piloto que mais evoluiu em 2008 e isto fica evidente em suas atitudes dentro e fora da pista. Teve paciência o suficiente para dividir as atenções com o atual campeão Kimi Raikkonen, com quem teve uma relação de trabalho profissional e justa. Como prêmio de consolação, comemora o título de construtores com a Ferrari e tem consciência que atingiu um novo patamar em sua pilotagem, o que pode levá-lo a um título mundial nas próximas temporadas.

Perguntas Instigantes:

Hamilton, Alonso, Massa, Raikkonen, Kubica, Vettel... seria esta a geração mais frutuosa da F1?

6 comentários:

Marcos Antônio Filho disse...

O coulthards merecia esse fim sim.Se a Williams pos esse cara na F1,nada mais justo do que tirá-lo tb... :P

2009 promete,tomara que seja melhor do que esse ano!

GiglioF1 disse...

Meninas,

Grande ano , com final a altura...Massa merecia esta vitória tb , mas nao a Ferrari...a McLaren foi mais equipe...pelos menos com Lewis...

Lewis teve que engolir o sabor de girar as ultimas 2 voltas com o campeonato perdido... e ficar atrás de Massa em numero de vitórias..

2009 será um ano vermelho!!!!!!!
Abraco!

Felipe Siqueira disse...

Olá,

encontrei seu blog no Speedblog da qual eu ajudava na equipe.
Agora estou com um blog sobre automobilismo:
http://bandeiradafinal.blogspot.com/

Gostaria de trocar links?

Fabricio disse...

Realmente um final holywood, quem imaginava que isso pudesse ancontecer? Infelizmente não deu pra Massa, só que ele não perdeu o campeonato na última volta do GP do Brasil, mas sim em Monaco, na Hungria, em Cingapura, onde ele tinha domínio da corrida e perdeu por erros da Ferrari. O que é mais ironico é que Massa foi melhor piloto mas campeão foi Hamilton, só que a Maclarem foi melhor equipe, mas a campeã foi a Ferrari.

Ron Groo disse...

O que seria 'frutuosa'...
Pela primeira vez acho que tenho de dar o braço a torcer por Alonso, realmente ele foi o rei do fim da temporada. Como correu!

Leandro disse...

Não existe isso de "campeão moral", isso foi uma desculpa inventada pelo Coutinho por não ter conseguido engendrar uma seleção brasileira decente para o mundial de 1978. Massa perdeu os mundiais de 2007 e 2008 por erros crassos da Ferrari, mas tb devido a suas próprias burradas (e sua inabilidade ou não-vontade de assumi-las).